sábado, 3 de março de 2012

Incrédulo



Desde que vejo o Benfica jogar, e já lá vão muitos anos, não me lembro de ter visto uma coisa assim: perder 8 pontos em 3 jornadas, passar de uma vantagem de 5 pontos para uma desvantagem de 3, perdendo a liderança do campeonato.

Isto tem de ter uma explicação, não pode acontecer por acaso. Não pode ser só por culpa do "sistema". Isto tem a ver com o Clube, a sua estrutura, a sua estratégia em relação aos poderes do futebol português.
Não se pode vir dizer peremptoriamente que não se fala de arbitragens enquanto não forem profissionais e pouco tempo depois, quando as coisas correm mal, vir clamar contra o árbitro e a sua estrutura dirigente.

Tinha de ser antes do jogo, antes da nomeação do árbitro, que se deveria ter feito pressão para que não fosse nomeado esse personagem que tanto mal tem feito ao Benfica. A estrutura dirigente do Benfica parece que ainda não percebeu a força que o Benfica tem (e já têm tempo mais do que suficiente para isso), para, com meios legais, contrariar o poder instalado no futebol português. Não é depois do facto consumado, quando já ninguém nos vai devolver os 3 pontos, que se vem reclamar. Isso é folclore para iludir os adeptos.

Tem de haver uma explicação para o facto dos jogadores do Benfica não terem força mental para aguentar a pressão. Temos jogadores que são um primor de técnica mas que à primeira contrariedade deitam tudo a perder, parecendo por vezes que ficam em pânico quando têm a bola. Não é por falta de apoio dos adeptos, que os têm apoiado incondicionalmente. Ainda ontem, foi dos jogos em que tiveram mais apoio do princípio ao fim.

Como é possível, à pouco tempo atrás, que os mesmos jogadores que faziam jogadas bem delineadas com principio, meio e fim, que quando sofriam um golo parecia que eram picados e iam com toda a raça tentar virar o resultado, não ficando minimamente afectados, agora joguem um futebol aos repelões, parecendo que ficam bloqueados, sem ideias e sem norte. 

Sabe-se que quando se faz uma coisa contra-natura o resultado só pode ser desastroso: apoiar Fernando Gomes, suporte do "sistema", não lembrava ao diabo, lembrou a Luís Filipe Vieira.
Na altura dei-lhe o beneficio da duvida, lá teria as suas razões, mas agora vejo que foi um grande tiro no pé.
Mais valia ficar quieto e não apoiar ninguém. A seguir vai-se renovar com a Olivedesportos para o ramalhete ficar completo. 

Esta-se mesmo a ver que foi uma grande jogada (mais uma vez), do papa: forjar uma desavença entre ele e Fernando Gomes, para este poder concorrer à presidência da Federação, não estando, portanto, com qualquer ligação ao FCP. Infelizmente para nós, benfiquistas, PC vê mais com os dois olhos fechados que LFV com os dois bem abertos.

Quanto a Jorge Jesus e as suas teimosias penso que é algo já do foro psiquiátrico. Não tenho capacidade para entender a sua fixação em Emerson, desde sempre, e Gaitan ultimamente. Li hoje num blogue uma boa ideia sobre Jesus: ganha muitos jogos, mas não ganha os mais importantes. Na mouche.

Uma última ideia sobre os resultados económicos do Benfica: lucro de cerca de 8 milhões de euros, mas com o passivo a aumentar para os 400 milhões (uma monstruosidade, que só deixa indiferente quem olha apenas para a bola a rolar). Ok. O valor do activo é superior ao passivo, mas não nos esqueçamos de uma coisa, os principais activos são os jogadores e quando estes não ganham, o seu valor desce a pique. Lá se vai o equilíbrio, e aí, quem vier no fim que feche a porta.

P.S. Já agora, como é possível o Benfica continuar a ter como sócio (se o é na realidade), uma besta como o Pedro Proença? Acho que está nos estatutos que quem prejudica o Clube não pode ser sócio. de que estamos à espera?


Sem comentários:

Publicar um comentário